Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Voo do Colibri

«O Colibri não é apenas um pássaro qualquer, o seu coração bate 1200 vezes por minuto, bate as suas asas 80 vezes por segundo, se parassem as suas asas de bater, estaria morto em menos de 10 segundos. Não é um pássaro vulgar, é um milagre.»

11 Nov, 2015

Spectre (2015)

 

 

 craigjoelho2.jpg

 

Sam Mendes teve o mérito de dar uma nova roupagem a James Bond há três anos, quando tomou conta do franchising, sucedendo a Marc Foster. Fez de Daniel Craig um homem quase normal, que sofre de amor e que pode ser derrotado (ocasionalmente). Não me interpretem mal, as mulheres bonitas (Berenice Marlohe ou Helen McCrory), carros velozes, engenhocas e vilões mirabolantes nunca saíram de cena.

Ao segundo filme (não deverá haver terceiro), Mendes perde o gás. Começa bem com uma sequência no México, onde Stephanie Sigman (uma das estrelas de Narcos) dá um ar da sua graça mas, depois, cai a pique. O genérico não é dos melhores e Sam Smith arrasta-se na sua canção.

Depois, Bond descobre que todo o mal que lhe aconteceu nos capítulos anteriores é culpa de uma negra organização chamada Spectre, liderada pelo seu irmão de criação, Blofeld, um Chistoph Walz que parece reproduzir até ao tutano o seu genial nazi. Mas isto já não é Inglourious Basterds. E Bond tenta, pois, salvar o mundo enquanto foge dos “maus”, arranjando tempo para despir Monica Belluci e se apaixonar por Léa Seydoux, que não parece encaixar no lote de Bond Girls. Tudo demasiado arrastado e chato.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.