Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Voo do Colibri

«O Colibri não é apenas um pássaro qualquer, o seu coração bate 1200 vezes por minuto, bate as suas asas 80 vezes por segundo, se parassem as suas asas de bater, estaria morto em menos de 10 segundos. Não é um pássaro vulgar, é um milagre.»

King (2019)

Abril 29, 2020

Francisco Chaveiro Reis

king.jpeg

Nascido em criado em Hell´s Kitchen, terra de super-heróis, o franzino e bonito Timothy Chalamet, é, aos 23 anos, um ator em destaque, após ter entrado no último de Woody Allen e ter estrelado “Call me by your name” onde descobria e explorava a sua homossexualidade numas férias de verão em Itália e “Beautiful Boy”, onde era o filho problemático de Steven Carell. Chalamet, durante mais de duas horas, é também o Rei Henrique V, de Inglaterra, conhecido pela sua luta contra França. Chalamet, filho de um francês, terá ficado chocado com o sotaque do canastrão Robert Pattison mas isso não o impediu de ter um dos desempenhos mais gloriosos da sua curta carreira. Em King, produção Netflix, Chalament é um jovem príncipe, mais interessado em mulheres e bebida do que em política. Afinal, esse é o reino do pai, Henrique IV (Ben Mendelsohn em mais um personagem melancólico), que Hal (como é conhecido pelos amigos de bebedeira) despreza.

Quando Thomas (Dean-Charles Chapman, o Tommen de Game of Thrones), o seu irmão mais novo, é nomeado sucessor do trono, Henrique, tentando não ser como o pai, evita que se derrame sangue mas não evita que o irmão, querendo provar a sua coragem encontre outra oportunidade para se matar no campo de batalha. Com o pai e irmão mortos, cabe a Henrique assumir-se como soberano, numa altura em que França se prepara para atacar Inglaterra. Com John Falstaff (Joel Egerton) como braço direito, Henrique começa o seu reinado tentando ser mais temperado do que o pai. Pelo menos, até perceber que França o mandou matar.

Soberbamente filmado, com batalhas à la Game of Thrones (Falstaff a lutar na lama, apetado por outros solados faz lembrar John Snow) e interpretações de luxo, King mostra a luta de um rei contra a sua herança e contra as circunstâncias.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub