Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Voo do Colibri

«O Colibri não é apenas um pássaro qualquer, o seu coração bate 1200 vezes por minuto, bate as suas asas 80 vezes por segundo, se parassem as suas asas de bater, estaria morto em menos de 10 segundos. Não é um pássaro vulgar, é um milagre.»

04 Dez, 2013

A evasão

 

Fui desafiado pelo colega de casa virtual a escrever sobre os livros do ano, como ele próprio fez, e bem, em resposta a este repto. Cá vai.

 

Como é habitual, este ano, li cerca de 20 livros. Não me lembro de todos, é certo, mas sei bem qual o que mais gostei. Já lá vamos. Eventualmente.

 

O ano começou com O Inverno do Mundo, segunda parte da triologia de Ken Follett, que ameaça ser a sua obra prima, superando Os Pilares da Terra. Isto diz tudo.

 

Antes do verão, deliciei-me com Dentro do Segredo, crónica da viagem de J.L. Peixoto à Coreia do Norte e com a reunião de alguns contos/crónicas seus em Abraço. Dentro das escritas em português, lembro-me, ainda, do sofrível A Mão do Diabo, no qual, J.R dos Santos se propunha a explicar as causas da crise.

 

No verão, nas duas semanas passadas na costa alentejana natal, li policiais suecos. A Princesa de Gelo, Os Diários Secretos e Ave de Mau Agoiro, todos de Camilla Lackberg, sucessora no meu coração do malogrado Stieg Larsson. Do mesmo género e nacionalidade, ainda me aventurei nos escritos de qualidade de Mons Kallentoft mas, não terminei, ainda.

 

No pós-verão, aventurei-me no fantástico A Verdade Sobre o Caso Harry Quebert, escrito por um jovem de 24 anos e que explora tanto um misterioso crime, como o processo criativo da escrita. Depois, embrenhei-me em Como Deus Manda, que conta a história crua e cruel de um adolescente italiano e do seu pai criminoso.

 

Esperei por novembro para ficar totalmente arrebatado. Do mesmo J.R. dos Santos que não me conquistara com A Mão do Diabo, li a vida e obra de Calouste Gulbenkian. A primeira parte, O Homem de Constantinopla, já é muito interessante, revelando a infância e vida adulta do milionário arménio.

 

Mas, na hora de eleger o livro do ano, não hesito. Ganha Um Milionário em Lisboa. Não é o mais bem escrito, não é uma história surpreendente ou sequer original mas conseguiu alcançar aquilo que mais procuro quando leio. A evasão.

 

Um português, em 2013, quer uma pausa na realidade quando pega num livro. Nestas boas centenas de páginas, acompanhei as aventuras de Krikor no meio do genocídio arménio e a vida de seu pai em Portugal. Uma vida de luxo, astúcia e de procura constante pela beleza, como sentido da vida.

 

A literatura para mim é isto, evasão. No meu sofá, durante uns dias, gritei e lutei contra  as atrocidades cometidas pelos turcos em 1915; vivi num hotel de luxo no centro de Lisboa; fui implacável nos meus negócios de petróleo e comprei algumas das mais belas e caras obras de arte do mundo.

 

Assim, esqueci as mortes na família, a falta de dinheiro, as depressões e tudo o resto de que me queria libertar por momentos.

 

Nas páginas deste livro, evadi-me.

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.