Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Voo do Colibri

«O Colibri não é apenas um pássaro qualquer, o seu coração bate 1200 vezes por minuto, bate as suas asas 80 vezes por segundo, se parassem as suas asas de bater, estaria morto em menos de 10 segundos. Não é um pássaro vulgar, é um milagre.»

A Herdade (2019)

Abril 30, 2020

Francisco Chaveiro Reis

her.jpeg

A Herdade, filmado por Tiago Guedes, começa a conquistar na primeira cena, graças a uma fotografia fabulosa que nos acompanhará até ao fim (aquela cena escura do cavalo e do cavaleiro, no chão é uma cena clássica instantânea). Logo na primeira cena, percebemos o tom duro da narrativa. Um homem enforcado, um homem que o observa e um miúdo que deve aprender uma lição sobre a finitude. Está apresentado o filme que tem dado nas vistas e que já cheira a Oscar (feliz, o título inglês, “The Domain”).

João Fernandes (Albano Jerónimo), o tal miúdo, já crescido, é dono de uma ampla herdade (Comporta) no Portugal de 1973. É duro com o filho, Miguel, dos seus 3 ou 4 anos; é distante com a mulher, Leonor (Sandra Faleiro), filha de um general do regime e é firme, mas justo com os homens e mulheres que trabalham as suas terras. Joaquim (mais uma bela interpretação de Miguel Borges) é o seu fiel escudeiro. João vive apenas para as suas terras, herança do pai, duro como ele, e que quer deixar ao filho que já adivinha não ser duro como ele. Mas, em plena ditadura, um latifundiário de destaque como ele, é assediado para dar mostras públicas de apoio ao regime.

Numa das melhores cenas do filme (subtil, como na rádio aparece uma conhecida canção e comos e nada fosse, passa pelo carro de João, uma coluna de militares), a revolução chega e a vida de João pode mudar. Os sogros, outrora snobes, precisam dele e os empregados, outrora servis, são influenciados pelo comunismo. A família começa aos poucos a fugir-lhe.

Corta para os anos 90. João, mais velho, tenta manter a herdade contra os bancos; os empregados vão indo à sua vida, a mulher parece cada vez mais infeliz, Miguel é o resultado da dureza com que foi tratado e Teresa, bebé nos anos 70, tem mais interesse no filho de Joaquim no que no resto da família. João lida com a perda do mundo em que cresceu, numa interpretação soberba de Jerónimo, num fresco dos anos 70 e 90, subtil mas certeiro.

The Forest (2017)

Abril 29, 2020

João Ferreira Dias

Rodada na floresta de Ardennes, região que une a França, a Bélgica e o Luxemburgo, esta série francesa de uma temporada é obrigatória para quem gosta de um bom caso policial com um enredo psicológico. Numa pequena vila, a morte de uma jovem vai perturbar (novamente) os locais, fazendo-os desconfiarem uns dos outros. Numa pequena área habitacional, as vidas cruzam-se de forma inevitável. Há segredos do passado a vir à tona. 

King (2019)

Abril 29, 2020

Francisco Chaveiro Reis

king.jpeg

Nascido em criado em Hell´s Kitchen, terra de super-heróis, o franzino e bonito Timothy Chalamet, é, aos 23 anos, um ator em destaque, após ter entrado no último de Woody Allen e ter estrelado “Call me by your name” onde descobria e explorava a sua homossexualidade numas férias de verão em Itália e “Beautiful Boy”, onde era o filho problemático de Steven Carell. Chalamet, durante mais de duas horas, é também o Rei Henrique V, de Inglaterra, conhecido pela sua luta contra França. Chalamet, filho de um francês, terá ficado chocado com o sotaque do canastrão Robert Pattison mas isso não o impediu de ter um dos desempenhos mais gloriosos da sua curta carreira. Em King, produção Netflix, Chalament é um jovem príncipe, mais interessado em mulheres e bebida do que em política. Afinal, esse é o reino do pai, Henrique IV (Ben Mendelsohn em mais um personagem melancólico), que Hal (como é conhecido pelos amigos de bebedeira) despreza.

Quando Thomas (Dean-Charles Chapman, o Tommen de Game of Thrones), o seu irmão mais novo, é nomeado sucessor do trono, Henrique, tentando não ser como o pai, evita que se derrame sangue mas não evita que o irmão, querendo provar a sua coragem encontre outra oportunidade para se matar no campo de batalha. Com o pai e irmão mortos, cabe a Henrique assumir-se como soberano, numa altura em que França se prepara para atacar Inglaterra. Com John Falstaff (Joel Egerton) como braço direito, Henrique começa o seu reinado tentando ser mais temperado do que o pai. Pelo menos, até perceber que França o mandou matar.

Soberbamente filmado, com batalhas à la Game of Thrones (Falstaff a lutar na lama, apetado por outros solados faz lembrar John Snow) e interpretações de luxo, King mostra a luta de um rei contra a sua herança e contra as circunstâncias.

O Irlandês (2019)

Abril 28, 2020

Francisco Chaveiro Reis

irish.png

No início do filme, ao som de uma música que percorre um lar de idosos, um De Niro em fim da linha, numa cadeira de rodas, rouba a voz ao narrador. Usa da palavra para se resumir pintor de casas. Logo percebemos que a descrição da sua profissão não é literal. O Irlandês, novíssimo de Scorcese, conta a história verídica de um assassino a soldo da máfia italo-americana, Frank Sheeran, responsável por milhentas mortes.

Feito de idas ao passado, o filme mostra diversas fases da vida de Sheeran. No presente da ação, é um velho, viúvo, já sem os seus amigos e companheiros de armas e com uma relação difícil com as filhas, que cresceram lado a lado com a sua fama e proveito e o condenaram a uma relação distante ou até, violentamente inexistente (a filha que deixa de lhe falar é a única juíza que lhe dá uma pena que custa cumprir). É neste presente, que vemos Frank a escolher um caixão e uma gaveta onde passará os anos que se seguem à morte. Não quer ser enterrado, a gaveta parece-lhe “menos final”.

No passado mais remoto, é um jovem (rejuvenescido por efeitos especiais) vindo da II Guerra Mundial, que conduz um camião, é sindicalista e tem já uma queda para a desonestidade. Pelo meio, dois períodos marcantes. Um, a convivência com Jimmy Hoffa (Pacino), figura central do sindicalismo (às tantas diz-se que nos EUA, mais poderoso do que ele, só o presidente) que primeiro protege, depois se torna amigo íntimo e depois, mata (Sheeran confessou o crime em 2003, depois de quase trinta anos de mistério à volta do desaparecido de Hoffa).

A morte de Hoffa marcará o resto da vida de Frank. Desde logo, a filha (Anna Paquin), percebe logo o que aconteceu e condena o pai ao silencio, para sempre e o próprio, sabendo que tem que compre a ordem, condena-se (fabulosa cena a do telefonema feito à mulher de Hoffa). Outra ida ao passado, central é a roadtrip com Russel e as respetivas mulheres, rumo a um casamento, com diversas paragens pelo caminho. É aqui que vemos como o duo se conhece, sem falar e que cumpre sem hesitar o seu trabalho. Há outros períodos marcantes, como uma estadia na prisão com um Russel decadente e tremulo que começa a ir à igreja combater a ideia de finitude.

Scorcese volta ao seu tema de eleição: o submundo do crime. E como sempre, usa-o como veículo para dizer outra coisa. O Irlandês fala de pessoas e fala sobretudo de velhice e decadência. De como o fim está sempre próximo e homens poderosos como Russel passam de dominantes a velhotes que não partem o seu pão sozinhos; de como o segundo homem mais poderoso de um país pode ser eliminados por aqueles que julgava dominar e como um soldado, camionista, sindicalista e assassino pode acabar por perder as forças.

O Imortal (2019)

Abril 27, 2020

Francisco Chaveiro Reis

21610533_JuKsg.jpeg

Criticado pela escrita leve, José Rodrigues dos Santos é um campeão na venda de livros em Portugal, colocando milhares de portugueses a consumir a sua obra. Sendo que cada um dos seus livros tem centenas de páginas, custa cerca de vinte euros e tem uma periodicidade anual, isso é obra.

Não sou especial admirador da escrita. Não critico a leveza. Não há mal nenhum em ir direto ao assunto. É aliás, algo bastante natural em certas literaturas. Não gosto tanto da tentativa de embelezamento da narrativa com adjetivos desnecessários. Não gosto do rumo de muitas histórias, nem de um académico fazer o improvável (como ir ao espaço). Mas lá está, não é nada que Robert Langdon, não faça nos livros de Dan Brown.

Sou especial admirador da forma como escolhe temas, atuais e pertinentes (ou partes menos claras da história, na vertente de romance histórico) e como compila e simplifica informação variada sobre os mesmos, fazendo um trabalho quase jornalístico. Nos livros de JRS, aprende-se e isso nunca é mau.

Desta feita, Tomás Noronha, a braços com a saúde cada vez mais frágil da mãe, vê-me metido na discussão dos limites do Homem e na possibilidade de este viver mais tempo ou até, para sempre. A imortalidade e os avanços científicos são, claro, alvo de jogos de bastidores, nos quais se inclui a história de um conhecido cientista chinês, que clama ter feito nascer dois bebés geneticamente modificados e um projeto ultrassecreto americano, inspirado em Leonardo DaVinci.

Dois Papas (2019)

Abril 26, 2020

Francisco Chaveiro Reis

papas.jpeg

Dois Papas, o novo de Fernando Meirelles (A Cidade de Deus, O Fiel Jardineiro ou Ensaio sobre a Cegueira), confirma o fim de ano explosivo do Netflix, que já nos tinha brindado com Irishman e Marriage Story, dois dos melhores filmes do ano. Aqui, testemunhamos a relação entre o Cardel Ratzinger, mais tarde, Papa Bento XVI (Anthony Hopkins) e o Cardeal Jorge Bergoglio (Jonathan Pryce).

Se há ação antes – a eleição de Ratzinger, ficando Bergoglio em segundo lugar – o filme centra-se numa ida do argentino ao Vaticano para pedir a sua reforma e nas conversas que o encontro precipita em jeito de balanço autocritico de vida. Crítico do caminho que a Igreja toma, Jorge, quer voltar a ser um simples padre. Mas Ratzinger já pensa em retirar-se e ultrapassado algum antagonismo, vê naquele Cardeal sul-americano, um sucessor perfeito. Os flashbacks da vida de Jorge, vão-se sucedendo e nem todos orgulham o Cardeal que gostaria de ter tido um papel mais ativo na luta contra a ditadura. Com duas monstruosas interpretações e diálogos superiores, Dois Papas é de visionamento obrigatório.

Dolemite is my name (2019)

Abril 25, 2020

Francisco Chaveiro Reis

21652325_LijwR.jpeg

Aqui, Eddie Murphy é chamado a fazer de Rudy Ray Moore, figurona verídica que depois de anos a falhar como stand-up comedian, conheceu o sucesso como Dolemite, comediante cheio de graça e ritmo, que, descoberto pelos rappers dos anos 80, seria sua fonte de inspiração. No filme, vemos a ascensão de Rudy, de MC de segunda até ser uma estrela nacional, passando dos palcos e discos de comédia para a produção e interpretação de um filme que se tornaria de culto. Involuntrauamente engraçado, o filme, cuja história ocupa grande parte do filme, teve um making off único que é muito bem explorado. Um dos filmes mais interessantes do ano, escondido à vista.

Parasitas (2019)

Abril 24, 2020

Francisco Chaveiro Reis

para.jpg

Foi Palma de Ouro em 2019, brilhou nos Óscares de 2020 e foi um sucesso de bilheteira, um pouco por todo o mundo, a começar pelo seu país – Coreia do Sul – onde é o filme mais visto de sempre. Parasitas, feroz crítica social, é um filme a ver e rever.

Melhor filme do coreano Bong Joon-ho (The Host, Snowpiercer ou Okja) até ao momento, Parasitas, apresenta-nos uma família coreana (pai, mãe, filho e filha), paupérrima, que vive numa cave onde não é raro verem bêbados a fazer as suas necessidades e que vai subsistindo à custa de biscates e de muita “ratice”. Desempregados, pai e mãe parecem conformar-se com a sua sorte enquanto que os filhos se deixam andar, mais preocupados com apanhar wifi de um vizinho, do que com a sua dignidade.  

Um dia, num golpe de sorte, um amigo do filho, escancara-lhe as portas da casa de uma família rica. A mãe rica, alheada do mundo, deixa-se impressionar pelo filho pobre e logo o contrata. A filha rica, essa, fica à mercê do charme do novo explicador cujo salário é a salvação da família. Mas qualquer Homem quer mais. O filho rico também precisa de quem o ajude e o filho pobre logo infiltra a filha pobre na casa. É o segundo salário. Quando já deixamos de ter pena da família pobre, os esquemas sucedem-se e pai e mãe pobres também já trabalham para a família rica. Jackpot. E a moralidade não entra aqui, se não, num pequeníssimo rebate de consciência do pai, quando pensa alto naqueles que deixou pelo caminho.

Sempre risível, mas sempre afiado na crítica à amoralidade, distribuição de riqueza e vício do digital. Parasitas está cheio de voltas e reviravoltas sem que os ricos pareçam ser muito afetados. São os parasitas que lutam pelo direito a parasitar.

Pág. 1/4

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D