Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Voo do Colibri

«O Colibri não é apenas um pássaro qualquer, o seu coração bate 1200 vezes por minuto, bate as suas asas 80 vezes por segundo, se parassem as suas asas de bater, estaria morto em menos de 10 segundos. Não é um pássaro vulgar, é um milagre.»

Deus é Negro, de Wesley Correia

Setembro 16, 2014

João Ferreira Dias

No dia 24 deste mês, pelas 18h00, estarei na Biblioteca da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, a apresentar, com muita honra, a obra poética do escritor baiano Wesley Correia, Deus é Negro. O título que provoca sem chocar, é um convite a uma viagem pela vida da perspetiva do homem negro, herdeiro de uma cultura milenar, que se comove e comove nas dificuldades da vida, mas que acima de tudo pede a bênção aos ancestrais, aos seus mais velhos, aos deuses da sua cor, que vieram nos porões dos navios negreiros. A vida é um obi aberto em alafia, e não é pouco.

Chegou!

Setembro 16, 2014

Francisco Chaveiro Reis

 

 

 

"No Limiar da Eternidade" chega hoje às bancas portuguesas após uma espera de longos meses. É o terceiro livro da trilogia "O Século" na qual Ken Follett, um dos escritores mais populares do  mundo após o enorme sucesso de "Os Pilares da Terra" ou "Um Mundo Sem Fim", se supera. Nos três volumes, Follett propõe-se a contar a história do Séc. XX aos olhos de cinco famílias, nas suas diferentes gerações. Em "A Queda dos Gigantes", a I Guerra Mundial esteve no centro e em "O Inverno do Mundo", esteve a II Guerra Mundial, sempre com outros acontecimentos a terem espaço e, sempre, com histórias riquíssimas das personagens. Esta é uma obra que marca a literatura contemporânea e,a aguardo que, a qualquer segundo, me chegue pelo correio, o novo volume. Depois, é esperar pelo fim do dia de trabalho. A qualidade, essa, é garantida.

Mar Morto, Jorge Amado

Setembro 15, 2014

João Ferreira Dias

“Pois o mar é mistério que nem os velhos marinheiros entendem”, assim reza a introdução a Mar Morto, romance poderoso de Jorge Amado escrito em 1936, e que é uma narrativa da vida dos pescadores da Cidade Baixa, Salvador da Bahia, romanceada através das personagens fortes de Guma, Rufino, velho Francisco, Manuel, homens que nasceram na beira do mar, que cresceram com os olhos diante das ondas, em roda dos saveiros, e cujo destino é traçado pelo mar, na vida e na morte; das mulheres que sofrem, amam e conhecem o destino fatídico dos seus homens, como Lívia ou Maria Clara, e os que alimentam sonhos e amam de coração pesado as gentes da beira do cais, como o Dr. Rodrigo e D. Dulce.

O centenário que fugiu pela janela e desapareceu (2009)

Setembro 10, 2014

Francisco Chaveiro Reis

 

 

Pródigo em policiais negros e grande qualidade, a literatura sueca ofereceu ao mundo este divertido "O centenário que fugiu pela janela e desapareceu". No dia em que completa cem anos de vida, Alllan decide fugir à festa que se prepara para ele e foge do lar onde vive, rumando a uma aventura louca. Pelo meio, através de flashbacks vamos percebendo que o centenário esteve presente em grandes momentos da história mundial. Surreal mas divertido.

Pág. 2/2

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D