Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Voo do Colibri

«O Colibri não é apenas um pássaro qualquer, o seu coração bate 1200 vezes por minuto, bate as suas asas 80 vezes por segundo, se parassem as suas asas de bater, estaria morto em menos de 10 segundos. Não é um pássaro vulgar, é um milagre.»

A Mother's Nightmare é um drama sobre uma bela, perturbada e manipuladora jovem e a árdua e dramática tarefa de uma mãe que precisa resgatar o filho demasiado apaixonado e inocente para ver além da beleza de Vanessa. Realista e muito mais do que plausível, um retrato de uma realidade corrente.

Concluída a leitura de O Homem de Constantinopla, lancei-me na segunda parte da obra de José Rodrigues dos Santos sobre Calouste Gulbenkian, Um Milionário em Lisboa. Se, o primeiro volume se centrava, sobretudo, em Calouste, aqui Kaloust Sarkasian, para marcar o personagem como sendo de ficção, apesar de imensos factos reais, o segundo volume começa por centrar-se em Krikor, filho de Kaloust. Krikor, a viver em Bona, conhece uma rapariga arménia, por quem se apaixona e o seu estatuto, filho de pais ricos e neto de arménios de renome, atrai os pais. A rapariga também se apaixona por ele e, quando, o pai deixa a Alemanha rumo à Turquia, Krikor vai atrás da amada. Esta é a desculpa do autor para relatar, em cerca de 200 páginas, os horrores praticados sobre o povo arménio, quase exterminado às mãos turcas (em 1915, terão sido assassinados milhão e meio de arménios). Estas páginas, impressionam pelas descrições do horror e pelo espírito aventureiro de Krikor, fazendo lembrar, a espaços o gigante Ken Follett. De seguida, entraremos na fase em que Kaloust, confortavelmente rico, se dedica mais à compra de obras de arte e vem para Lisboa, onde causa grande impacto.

15 Nov, 2013

Dia 18

 

 

Segunda-feira será um dia culturalmente interessante. Nessa data, 18 de novembro, chega aos escaparates "Um milionário em Lisboa", segunda parte da obra sobre a vida de Calouste Gulbenkian por José Rodrigues dos Santos. Não digo que seja o melhor escritor português e até sublinho que existem centenas melhores mas, isso não tira o mérito aos seus livros, com temas interessantes e bom ritmo.

 

 

Chega, ainda, às lojas, "Lisboa 22.38", o novo trabalho de António Zambujo, um dos mais interessantes cantautores portugueses. O alentejano edita um albúm ao vivo no Coliseu de Lisboa. Conheça-o melhor aqui.

13 Nov, 2013

Conhecer Calouste

 

José Rodrigues dos Santos não escreve bem mas reúne elementos históricos que transforma em histórias que valem a pena ser lidas. "O Homem de Constatinopla" é um desses casos. Nele, o jornalista e escritor best-seller propõe-se a contar a história do milionáro arménio Calouste Gulbenkian, conhecido entre nós pela sua fundação bem no centro de Lisboa. Este é o primeiro volume, acompanhando Calouste em criança e na juventude. Segue-se "Um Milionário em Lisboa", segunda parte desta biografia romanceada de um dos homens mais interessantes do séc. XX.

 

08 Nov, 2013

Hamsun

 

Pouco conhecido em Portugal, Knut Hamsun é um dos meus escritores favoritos e um dos autores mais brilhantes de sempre. Norueguês, viveu entre 1859 e 1952, nascendo e morrendo no seu país, apesar de algumas estadias nos EUA. Recebeu o Nobel da Literatura em 1920. O seu livro mais conhecido e mais genial é Fome, onde relata o dia-a-dia de um escritor talentoso mas sem trabalho e sem casa, que vagueia por Oslo, conseguido um ou outro biscate mas, tentando sempre manter a dignidade.No entanto, o meu favorito será Victoria, uma belíssima história de amor. A sua vida ficou assombrada pelos rumores de simpatia para com Hitler. À parte disso, chegou esta semana aos escaparates um "livro novo" deste autor. A não perder.

Não sendo propriamente do teor deste blogue, cumpre contudo mencionar que este livro, recém-lido, é das mais significativas obras sobre as transformações, a diáspora e a problematização ritual no espaço Atlântico, com enfoque ao Candomblé e à religião Yorùbá. Sem esta obra qualquer produção sobre os processos de construção ritual e de identidade no Candomblé fica órfã. 

Pág. 1/2