Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Os melhores do ano: filmes

por Francisco Chaveiro Reis, em 28.12.15

sem nome.png

Mad Max: Fury Road - Em ano de bons regressos (Star Wars e Rocky, entre outros), o destaque vai todo para Mad Max. Com Tom Hardy no lugar de Mel Gibson, voltamos a um mundo futurista onde reina a pobreza e o desespero à medida que falta o petróleo e a água. Um mundo desértico onde as deslocações são feitas em carros pensados para matar os adversários e destruir os veiculos opositores e onde há muitos anos não nasce um ser humano saudável. Tentando-se libertar das garras de Immortan Joe (Hugh Keays-Byrne), Imperator Furiosa (Charlize Theron), planeia fugir do ditador que vê nela um soldado de confiança, levando-lhes as suas noivas. Max ajuda-a, bem como Nux (Nicholas Hult), um soldado arrependido. O novo Mad Max é um deleite para os olhos, é um grande filme de ação mas é sobretudo uma metáfora do nosso mundo e daquilo para que caminha. O filme do ano.

 

Inside Out – Não raras vezes, os filmes de animação são para adultos. É o caso. Puxando da Programação Neuro Linguística, assistimos ao crescimento de Riley (Kaitlyn Dias). Mas, vemos o crescimento por dentro, através de um centro de operações onde vivem a Alegria (Amy Poehler), Medo (Bill Hader), Raiva (Lewis Black), Nojo (Mindy Kaling) e a Tristeza (Phyllis Smith). Um filme emocionante que nos fará passar pelos sentimentos a que corresponde cada personagem.

 

Beasts of No Nation – Agu (Abraham Attah) é uma criança feliz, apesar da pobreza em que vive, na Nigéria. A sua felicidade é estilhaçada quando fica sem a família e se torna numa criança-guerreira, deixando aos poucos de ser…uma criança. Brutal (no sentido tradicional e não no novo e jovem sentido).

 

Star Wars: The Force Awakens – Era o regresso mais esperado e não desiludiu os fans. JJ Abrams, depois do sucesso de Lost ou dos novos filmes de Star Trek, alcançou a sua obra-prima com um equilíbrio perfeito entre o passado glorioso da saga e um presente com novos personagens e mundos. Além disso, trata-se de um bom filme de aventuras, carregado de humor que pode agradar mesmo a quem não segue o universo criado por George Lucas.

 

Southpaw - Jake Gyllenhaal é Billy Hope, um pugilista no fim de uma carreira que lhe trouxe dinheiro e fama. A morte da mulher, Maureen (Rachel McAdams) faz com que entre numa espiral destrutiva e que fique sem casa, dinheiro e pior, sem a guarda da filha Leila (Oona Laurence). É na mó de baixo que procura o treinador Tick (Forest Whitaker) e tenta voltar aos dias de glória.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Maus (1980)

por Francisco Chaveiro Reis, em 16.12.15

Maus-Art-Spiegelman-Portable.jpg

O norte americano Art Spiegelman conta, neste fantástico Maus, a história do pai, Vadlek, um judeu polaco que escapou à morte num Campo de Concentração. Art, agraciado com o Pulitzer em 1992, faz uma abordagem original para contar a velha história do extermínio de judeus na II Guerra Mundial. Como metáfora, faz dos judeus, ratos e dos nazis, gatos. Os polacos são porcos e os americanos, cães. Mas, como escreveu a Time "todos são terrivelmente humanos". É uma obra de banda desenhada (comic novel) a preto e branco e onde, de forma crua se retrata o Holocausto. Obrigatório.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

BoJack & Archer

por Francisco Chaveiro Reis, em 07.12.15

Mesmo após anos de sucesso e qualidade de Simpsons, South Park, Family Guy ou Futurama, o género desenho animado ainda é visto como menor e para crianças. Não é. Em termos técnicos, é uma arte. Em termos, de conteúdo, depende, como qualquer série ou filme da história, forma como é escrito e dos intérpretes. Dois fantásticos exemplos de uma nova e refrescante vaga de desenhos animados politicamente incorretos são Archer e BoJack Horseman, que podem ser seguidos no Netflix.

Sterling-15.jpg

 Acher (H. Jon Benjamim) é um espião, bonitão e cheio de pinta que vive para seduzir mulheres (ou pagar-lhes para dormirem com ele, em muitos casos), não deve muito à inteligência, gosta mais de beber do que de trabalhar e tem um sentido de humor muito próprio. E ofensivo. Trabalha para uma agência (ISIS…) que a mãe, Malory (Jessica Walker), seu equivalente feminino controla com mão de ferro. Enquanto resolve, a custo, várias missões, convive com Lana Kane (Aisha Tyler), “boazona” e “super-espia” de serviço que o deixou recentemente pelo colega e atado profissional Cyril (Chris Parnell). Pela agência andam ainda Pam (Amber Nash), uma diretora de RH carente e linguaruda; Cheryl (Judy Greer), uma ninfomaníaca em potência e ainda o cientista louco Krieger (Lucky Yates). São episódios de cerca de 20 minutos de pura loucura, piadas do mais nonsense que existe e muita, muita gargalhada.

bojack-banner_large.png

Ainda mais nonsense é BoJack Horseman. Para já, tudo é igual ao nosso mundo, exceto o facto de pessoas conviverem naturalmente com animais falantes. BoJack (Will Arnett) é, na verdade, um homem com cabeça de cavalo que foi estrela de televisão há 18 anos. Vive agora na sua grande mansão, passando os dias a ver os episódios antigos de Horsin´ Around (a sitcom que estrelava), a beber e a consumir drogas. Para aliviar a solidão, vive com Todd (Aaron Paul de Breaking Bad), um jovem desempregado que nada faz por mudar a sua situação e mantém um relacionamento com a sua agente, Princess Carolyn (Amy Sedaris). Para tentar regressar à ribalta, resolve escrever um livro, contando com a ajuda da “escritora-fantasma” Diane (Alison Brie), por quem se começa a apaixonar.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



BLOGOSFERA

LETRA - A


Antropocoiso

A FORMA E O CONTEÚDO

Aventar

[a barriga de um arquitecto]

às nove no meu blogue

Autores e Livros

Aspirina B

ABC do PPM

A barbearia do senhor Luís

A Natureza do Mal

Arcebispo de Cantuária

A Arte da Fuga

Ativismo de Sofá

o Avesso do Avesso

A Terceira Noite

A B S O R T O

Água Lisa

Arcadia

avatares de um desejo

A Causa Foi Modificada

 

LETRA - B


BLASFÉMIAS

Banco Corrido.

Bicho Carpinteiro

Bibliotecário de Babel

...bl-g- -x-st-

blogue dos marretas

cinco dias

Câmara de Comuns

Corta-fitas

Causa Nossa

Clube das Repúblicas Mortas

Cadeirão Voltaire

Córtex Frontal

Cibertúlia

CHARQUINHO

classepolitica

Cartas de Política

 

LETRA - D


Delito de Opinião

Diário Ateísta

Da Literatura

Direito & Economia

Da Rússia

 

LETRA - E


Entre as brumas da memória

Esquerda Republicana

Estado Sentido

 

LETRA - H


hoje há conquilhas, amanhã

Homem Urbano

Horas Extraordinárias

 

LETRA - I


irmão lúcia

INDÚSTRIAS CULTURAIS

(in)Transmissível

 

LETRA - J


jugular

 

LETRA - L


lusofolia

Ladrões de Bicicletas

Livros de Areia Editores

LER

 

LETRA - M


Minoria relativa

 

LETRA - N


Não sei o quê, um blog

noite americana

Nostalgia Futura/a>

 

LETRA - O


O MacGuffin

O Insurgente

O JUMENTO

o Avesso do Avesso

O que fica do que passa

Ortografia do olhar

o silêncio dos livros

 

LETRA - P


portugal dos pequeninos

Pedro Rolo Duarte

 

LETRA - S


sorumbático

segunda língua

 

LETRA - T


Tantos Livros Tão Pouco Tempo

 

LETRA - V


Venice is Not Sinking

 

LETRA - 1,2,3


31 da Armada

25 centímetros de neve



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D